Via-Sacra: para o Papa a voz e os lápis das crianças de uma paróquia de Roma

Visitamos a paróquia romana dos Santos Mártires de Uganda, onde as 500 crianças e jovens em catequese para comunhão e confirmação contribuíram para as meditações para a celebração da Sexta-feira Santa na Praça São Pedro. O pároco padre Luigi D'Errico: "Desta forma, Francisco quis chamar a atenção para o sofrimento das crianças nesta pandemia". Nós também ouvimos, a brasileira Marta De Marinis, 28 anos, voluntária da casa família “Tetto Casal Fattoria”....

31 • MAR • 2021
 

Alessandro Di Bussolo – Vatican News

Dentro do edifício da primeira igreja de Roma consagrada por São João Paulo II, em 26 de abril de 1980, dez anos após sua construção, no bairro Ardeatino, a atividade educativa e catequética das crianças é compartilhada com os jovens de 15 e 16 anos. A iniciativa é o do pároco padre Luigi D'Errico, que chegou em 2008. Padre Luigi, recebeu recentemente um prêmio do Presidente italiano Mattarella “pelo seu compromisso diário com uma política de inclusão real das pessoas com deficiências e com a luta contra a pobreza e a marginalidade social”. Compartilha a casa da paróquia dos Santos Mártires de Uganda com Rita e Dustin e o jovem padre indiano Matteo.

Na Sexta-feira Santa 15 irão à Praça São Pedro representar os 500

Nesta igreja que parece um pagode chinês, cerca de 500 crianças e adolescentes estão se preparando para sua primeira comunhão ou confirmação, especialmente on-line por causa da pandemia. Na Sexta-feira Santa, na Via-Sacra que será realizada na Praça São Pedro, o Papa Francisco ouvirá meditações e orações nascidas nestas suas reuniões de catecismo no "Zoom" ressoarem. As crianças serão representadas por 15 jovens catequistas que lerão o fruto de seus esforços e que carregarão a cruz ou a tocha em algumas das 14 estações.

Padre Luigi: muitos desenhos sobre a crucificação de Jesus

Padre Luigi, que também é a pessoa de contato para o cuidado pastoral das pessoas com deficiências do Vicariato de Roma, explica que ilustrar a Via Dolorosa com desenhos das crianças e meditar sobre ela com reflexões dos jovens, foi uma ideia sua antes do chamado do Vaticano.

Entrevista com o padre Luigi D'Errico

Padre Luigi: No início pensamos em fazer uma atividade que envolvesse também os que estão em casa, porque prevíamos que teria lockdown, e não poderíamos sair de casa. Assim, a fim de ajudá-los, como fizemos no ano passado desenhando Palmeiras, este ano dissemos aos catequistas: vamos desenhar ou comentar uma das estações da Via-Sacra à escolha. Eles a propuseram e continuam a propô-la às crianças nestes dias, porque nasceu como uma atividade catequética, depois veio a proposta da Secretaria de Estado para tentar ajudar o Papa a comentar a Via-Sacra da Sexta-feira Santa no Vaticano. E assim entregamos parte do trabalho que os meninos já tinham feito.

Em termos concretos, como foram escritas as meditações? Foi um trabalho individual ou de grupo, de acordo com as estações?

Padre Luigi: Foi um trabalho individual, que reunimos junto com os catequistas tentando manter a confidencialidade sobre o destino final. De seus pequenos textos e desenhos, muitas vezes comentados, tentamos interpretar seu estado de espírito, neste momento, diante da Via-Sacra, diante do mistério da paixão de Jesus. Algumas das crianças fizeram verdadeiras orações, nas quais se dirigiram ao Senhor, como às vezes fazemos nos últimos anos na paróquia, celebrando o caminho da Cruz.

Então quando prepararam suas contribuições, ainda não sabiam que seriam utilizadas na Via-Sacra do Papa?

Padre Luigi: Não, nós explicamos somente quando se tornou público, e foi anunciado pelo Vaticano. Expliquei então que o trabalho deles, em grande parte, seria utilizado para esta iniciativa, tão bela e tão importante.

Como havia tantos jovens envolvidos, quase 500, qual foi a estação mais comentada e desenhada?

Padre Luigi: Certamente os encontros de Jesus com as várias pessoas, e o que naturalmente domina nos desenhos é a crucificação. É o momento que mais impressiona: eles já tinham visto em quadros, é claro, mas especialmente em alguns dos filmes que geralmente são transmitidos pela televisão no período que antecede a Páscoa. A crucificação é o momento trágico, é o que nos faz pensar no abandono de Jesus, no seu sofrimento, que ele certamente não merecia sofrer.

Então, como representaram, tanto nas meditações como nos desenhos, a Via-Sacra? Há a história de Jesus, mas acho que também há um pouco da história de cada um, talvez de suas dificuldades e sofrimentos...

Padre Luigi: Por exemplo, no momento em que é dito na Via-Sacra, que Jesus morre e há uma reação do universo, com o terremoto contado no caminho da Cruz, eles o imaginaram com um céu cheio de relâmpagos, quase como se fosse para expressar a decepção de Deus Pai diante da estupidez dos homens e das mulheres. "Por que matar Jesus?" Eles se perguntaram. Para muitos esta continua sendo uma grande questão: por que Jesus morre? É claro que, neste período, o que está acontecendo é muito presente em seus comentários. Eles ouvem informações o tempo todo, sentem de perto a angústia de parentes e dos pais. Eles sentem, por exemplo, a distância dos avós. Em muitos casos, não encontram mais seus idosos há muito tempo. Eles sentem falta de tudo isso, sentem falta de fazer festas de aniversário junto com as outras crianças, sentem falta de ir à escola às vezes com tranquilidade, brincar nos parques. Tudo isso tem sido limitado no momento e por isso emerge também em seus comentários.

A sua paróquia dos Santos Mártires de Uganda é conhecida como uma comunidade que acolhe o "Refúgio de Agar", a "Casa de Belém". Estas expressões de caridade em sua paróquia entraram de alguma forma nas reflexões das crianças?

Padre Luigi: Sempre dizemos aos jovens o que fazemos: sempre lhes falamos de nossas viagens a Uganda, onde antes da Covid íamos duas vezes por ano e muitos de nossos jovens foram, e sobre o que fazemos aqui na comunidade paroquial. Dizemos-lhes que, por exemplo, uma das duas casas, a casa de Belém, não é obra apenas desta comunidade, mas de oito paróquias e, portanto, de como juntos podemos enfrentar as dificuldades e como podemos fazer verdadeiros pequenos milagres. Assim eles sentem que há injustiça neste sofrimento, e que muitos sofrem e em algumas situações sofrem ainda mais. Certamente algumas imagens os perturbaram e alguns também se perguntam: "Em países pobres como Uganda, o que acontece? Haverá vacinas? Será que eles vão se curar?". É claro que a experiência diária é a que mais os envolve, portanto, quando veem seus pais cansados, nervosos ou preocupados, ou quando acontece em muitos casos a Covid na família, e isso força toda a família a permanecer isolada dos outros e de tudo, tudo isso têm seus efeitos. E muitas vezes surge em orações, quando pedem a Deus que faça cessar a pandemia: é o pedido mais recorrente. Muitas vezes nos anos passados rezavam pela paz, e agora pedem que Deus acabe com esta guerra, que parece depender do vírus.

Que dom tem sido a participação nas meditações de crianças com deficiências?

Padre Luigi: A esta altura já os conhecemos pelo nome, eles fazem parte da vida de todos. Já contei outras vezes sobre o comentário de uma menina mais velha, Chiara, que se preparava para sua crisma, que disse: "Com eles entendi o que significa amar, o que significa querer bem. Entendi isso ao ver outros jovens um pouco mais velhos que eu que ajudam, ficam ao lado deles, e quando há algo, os convidam e os fazem participar". Na realidade eles participaram como todos e como todos, sofrem o desconforto desta pandemia. Na verdade, talvez a deles seja ainda maior. 

Como foram escolhidos os 15 jovens que estarão na Praça São Pedro na sexta-feira com o Papa?

Padre Luigi: Irão os mais velhos, que muitas vezes são também catequistas ou catequistas auxiliares, mas eles também, graças a Deus, são cerca de 70. Os que irão representar os outros, como quando fazemos viagens a Uganda irão se tornar os corações, os olhos e as mentes dos que não podem ir.

Na sua opinião, por que o Papa optou por ter crianças e jovens escrevendo as meditações da Via-Sacra deste ano, e não um cardeal ou um teólogo?

Padre Luigi: O Papa Francisco tem esta capacidade de estar ligado a situações humanas, à vida das pessoas. Dá a atenção de um pai, de um pastor, de uma mãe, que olha para o que as pessoas estão vivendo na própria família. Penso que o Papa quis chamar a atenção sobre os mais jovens, os que no início se dizia estarem "longe da possibilidade de serem infectados e, portanto, de morrerem, então devemos nos preocupar menos". Em vez disso, com o tempo, estamos vendo que esta distância é, felizmente, parcialmente verdadeira, mas também há consequências da solidão, de não estar com outros, da tendência natural dos jovens de estar com outros jovens e, portanto, de passar seu tempo e crescer. Crescemos em um mundo relacional, com outros, sozinho é realmente mais difícil. Penso que o Papa Francisco sentiu isto em nível mundial: todas as sociedades e todos os jovens, meninos e meninas deste mundo estão sofrendo muito. Sua atenção está em tentar desta forma estar ao lado deles.

Nós também ouvimos, a brasileira Marta De Marinis, 28 anos, voluntária da casa família “Tetto Casal Fattoria”....