Paquistão. Igreja apoia os catequistas, motor da missão

"Senti fortemente a necessidade de apreciar e expressar gratidão aos nossos catequistas depois que o Santo Padre publicou sua Carta Apostólica 'Antiquuum Ministerium' com a instituição do ministério do Catequista". "Somos gratos ao Papa Francisco por isso, pois vemos em primeira mão os desafios que nossos catequistas enfrentam, realizando este ministério. Em particular, com a pandemia da Covid-19 estamos passando por uma fase muito difícil", afirma o bispo da Diocese de Faisalabad, dom Rehmat

15 • DEZ • 2021
 

"Os catequistas desempenham um papel importante na missão evangelizadora da Igreja; em nossa diocese muitos de nossos catequistas percorrem longas distâncias para visitar pequenas comunidades remotas. O ministério deles é essencial para preservar e ensinar a fé católica aos fiéis de nossa diocese, para fazê-los sentir a proximidade da Igreja. A Igreja faz todo esforço para apoiar 112 catequistas que servem na diocese, ademais, com um sentimento de gratidão, pensamos em apoiar os catequistas idosos e aposentados, e as viúvas dos catequistas aposentados", disse o bispo da Diocese de Faisalabad, no Punjab paquistanês, dom Indrias Rehmat, falando à Fides – agência missionária da Congregação para a Evangelização dos Povos.

O Papa Francisco instituiu o ministério do Catequista

O bispo ressaltou que a diocese distribui subsídios em dinheiro, ajuda alimentar e também reses para criação, a 30 catequistas idosos e aposentados e suas famílias, contribuindo para seu sustento diário.

Dom Rehmat afirmou: "Senti fortemente a necessidade de apreciar e expressar gratidão aos nossos catequistas depois que o Santo Padre publicou sua Carta Apostólica 'Antiquuum Ministerium' com a instituição do ministério do Catequista". "Somos gratos ao Papa Francisco por isso, pois vemos em primeira mão os desafios que nossos catequistas enfrentam, realizando este ministério. Em particular, com a pandemia da Covid-19 estamos passando por uma fase muito difícil."

Reconhecimento aos catequistas e aos fiéis da diocese

Além disso, com a pandemia, desde o ano passado a Igreja local ativou para os 112 catequistas atualmente em serviço, apólices de seguro médico para cobrir o custo de despesas médicas, caso adoeçam ou sofram danos à saúde devido ao coronavírus.

"Nossos catequistas recebem um salário bastante baixo por seu trabalho em tempo integral a serviço da Igreja", disse o bispo de Faisalabad. "Reconhecemos e apreciamos o serviço apostólico deles, realizado com zelo e dedicação, em meio a tantos desafios." Por esta razão, a Igreja em Faisalabad lançou um projeto para utilizar 30 lotes de terra, destinados a planos habitacionais, para os catequistas, especialmente os idosos ou aposentados, a fim de dar-lhes um lugar para viver.

O bispo acrescentou: "Também apreciamos nossos fiéis cristãos por sua generosidade e por apoiar o trabalho missionário de nossos catequistas; exorto os sacerdotes, religiosos e fiéis, a apoiar a grande obra deles, a estimá-los e a ajudá-los por seu importante trabalho pastoral e missionário".

2022 será o "Ano dos Catequistas" na Diocese de Faisalabad

Falando do trabalho confiado aos catequistas, o bispo observou: "Os desafios no ministério dos catequistas estão crescendo a cada dia. Há o rápido crescimento de pastores e comunidades de outras denominações que criam suas próprias pequenas Igrejas e ministérios designados por eles mesmos; há interpretações errôneas da fé, também presentes na Internet e nas redes sociais".

"Além disso, com o aumento da inflação, é cada vez mais difícil enfrentar as despesas e necessidades básicas das famílias. Muitas vezes nossos catequistas são obrigados a fazer um trabalho duplo para viver, o que tira tempo das visitas pastorais às famílias, para satisfazer as necessidades espirituais dos fiéis."

Dom Rehmat concluiu: "No tempo de preparação para o Sínodo, entre 2021 e 2023, pretendemos proclamar o Ano 2022 como o 'Ano dos Catequistas' na Diocese de Faisalabad, a partir do estudo do documento do Papa Francisco Antiquum Ministerium. O objetivo é justamente valorizar o serviço apostólico e a preciosa missão evangelizadora de nossos catequistas, expressando gratidão pelo que fazem, ajudando pacientemente os fiéis a se radicarem e crescerem na fé, na esperança e na caridade".