Mais de 100 mortos durante revolta em prisão do Equador

Estado de emergência para todo o sistema penitenciário do país. A decisão do presidente Lasso foi determinada pelo o que aconteceu na prisão da cidade costeira de Guayaquil, que deixou 116 mortos e 80 feridos.

30 • SET • 2021
 

Benedetta Capelli – Vatican News

O pior banho de sangue já visto em uma prisão equatoriana. É assim que as autoridades definem a revolta na prisão Litoral, que deixou mais de 100 mortos e cinco pessoas decapitadas. A tensão entre gangues rivais causou uma escalada de violência, forçando o presidente Lasso a declarar o estado de emergência por 60 dias em todo o sistema penitenciário do país, um status que dará ao governo poderes, incluindo de destacar a polícia e o exército dentro das prisões.

Mais compromisso com as prisões

O chefe de Estado, comovido, durante a coletiva de imprensa, definiu “deplorável” e “triste” o resultado do violento conflito na prisão, campo de batalha para gangues criminosas. Ele disse que tomaria uma posição dura para evitar um efeito dominó, mas que também faria todos os esforços para proteger os direitos dos presos, para acompanhar os parentes das vítimas e para acelerar o plano de reforma do sistema, que já está em andamento, com investimentos em infraestrutura e tecnologia de vigilância. Isto começará precisamente pela penitenciária de Litoral.