Cruz: símbolo de vida e de esperança

Para os cristãos, o sinal da cruz é o sinal mais santo que existe. Fazendo-o, tudo o que somos, corporeidade, pensamento, espírito, vontade, sentimentos, ocupações e atos, é assinalado, consagrado na força do Cristo Crucificado-Ressuscitado.

13 • SET • 2021
 

Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre e primeiro vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

A cruz é um símbolo presente em distintas culturas. Não foi o cristianismo que a descobriu. No entanto, foi a partir do evento cristão que a cruz adquiriu simbologia própria. Ela passou a ser símbolo da vitória do amor sobre o ódio do mundo, manifestado num processo injusto e numa execução sumária do homem, que “passou fazendo o bem” (At 10,38) e que “fez tudo bem” (Mc 7,37).

Gregório de Nissa (+ 394) afirmava que a cruz anuncia a verdade do cosmos e do ser humano. Na sua verticalidade e na sua horizontalidade ela abraça toda a realidade. “Estás estendida para a direita e para a esquerda para rechaçar o terrível poder do inimigo e reunir o mundo. E está enraizada nas profundezas da terra, para ligar com o céu aquilo que está na terra e embaixo da terra. (...) Ó nome da cruz, que abraças em ti o universo. Salve a ti, ó cruz, que mantém unidos o cosmos em sua extensão” (H. Rahner).

É um costume difuso traçar sobre si ao se passar diante de uma igreja o sinal da cruz. Há quem inicia a jornada e a encerra fazendo e rezando o sinal da cruz. Com isso, a pessoa não apenas traça a cruz sobre si, ela também reza na postura da cruz. O gesto da cruz é o gesto mais antigo da oração cristã. É o sinal da totalidade e da redenção. Quando, rezando, o traçamos sobre nós, estamos nos marcando e nos deixando envolver pelo mistério redentor atualizado na cruz.

Para os cristãos, o sinal da cruz é o sinal mais santo que existe. Fazendo-o, tudo o que somos, corporeidade, pensamento, espírito, vontade, sentimentos, ocupações e atos, é assinalado, consagrado na força do Cristo Crucificado-Ressuscitado.

Os cristãos se definem pela cruz. A cruz que trazemos junto ao corpo, ou a cruz fixada em espaços privados ou públicos nos recorda em todas as circunstâncias que estamos envolvidos pelo amor de Deus que se abaixou, se fez carne, para participar de nossa condição, para nos tocar e nos curar em nossos aspectos mais vulneráveis. Há certamente aspectos e situações em nós e na sociedade que necessitam urgentemente de cura. Daí a premência de resgatar o lugar da cruz em nossa vida e em nossa sociedade.