Filosofia, psicologia, religião o que elas dizem sobre o sentido da vida

23.Janeiro.2024
 

Um dia todos nós já refletimos sobre o sentido da vida, independente de nossas crenças ou condições sociais.

Falar sobre o sentido da vida, para nós que acreditamos em Deus, é falar sobre a vontade divina para cada um. Porém, não somente nós, cristãos, pensamos a respeito desta questão, mas também filósofos, psicólogos etc.

A filosofia pensa sob uma ótica, a psicologia faz uma afirmação, a religião apresenta uma outra visão, mas, no fim, todas haverão de apontar para um único objetivo.

Em tempos de crises existenciais tão grandes como essa em que as pessoas estão vivendo atualmente, encontrar o sentido da vida é o remédio para quem se encontra perdido.

Pensando nisso, queremos trazer aqui uma reflexão clara que nos garante que todo o sentido da nossa vida se encerra em Deus.


O que a filosofia fala sobre o sentido da vida

O espírito humano possui duas asas pelas quais se eleva para a contemplação da verdade: a fé e a razão. Dessa forma, não somente os cristãos refletiram sobre o sentido da existência humana, mas também os grandes filósofos ao longo dos séculos.

Não importa o milênio em que se encontre o homem, é nítido vermos que ele é inclinado a conhecer a verdade sobre a vida. Ou seja, o motivo pelo qual nós, seres humanos, vivemos e enfrentamos diversos dilemas aqui neste mundo.

Para um filósofo, cujo objeto de estudo é a existência humana e suas diversas realidades, o sentido da vida é o grande responsável por movimentar as ações humanas.

Sendo assim, a filosofia traz para nós, com base em um olhar transcendente, que o sentido desta vida não está contido neste plano, mas, sim, fora dele.

Para a filosofia, o sentido da vida apresenta-se ainda de forma interrogativa: A vida tem um sentido? Para onde ela se dirige? E são essas interrogativas que nos direcionam para algo que está além de nós e deste momento em que estamos.

Assim, o sentido de vida para os filósofos projeta o ser humano para fora dele, porém considerando os anseios pela verdade que trazem dentro de si mesmos.

Leia também: Senhor, onde moras?


O que a religião fala sobre o sentido da vida

Alguns livros das Sagradas Escrituras trazem para nós o anseio humano em compreender o sentido da vida. Jó, Eclesiastes, Provérbios e outros livros bíblicos nos fazem refletir sobre a existência humana, assim como, sobre tudo aquilo que fazemos ao longo de nossas vidas.

“Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo do céu: tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou… Tempo de amar e tempo de odiar; tempo de guerra e tempo de paz. Que proveito tira o trabalhador de sua obra?” (Ecl 3,1-2;7-9).

Diante de tais questionamentos, o autor bíblico pergunta o que rege o anseio humano: Qual o sentido de tudo aquilo que realizamos aqui nessa terra?

Para nós, cristãos, o sentido da vida está em Deus e em Sua palavra revelada: Jesus Cristo. É Nele e para Ele que todas as coisas existem e encontram o seu sentido.

“Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus. Afeiçoai-vos às coisas lá de cima, e não às da terra. Porque estais mortos e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, vossa vida, aparecer, então também vós aparecereis com ele na glória” (Cl 3,1-4).

Sendo assim, toda religião cristã professa que o sentido da vida está no conhecimento de Deus e do propósito ao qual ele nos designou aqui nessa terra.

Portanto, se não conhecemos a Deus, tampouco conheceremos o motivo pelo qual caminhamos neste mundo.

Foi Deus quem colocou, no coração do homem, o desejo de conhecer a verdade e, em última análise, de O conhecer a Ele, para que, conhecendo-O e amando-O, possa chegar também à verdade plena sobre si próprio” (Encíclica Fides et Ratio).


O que a psicologia fala sobre o sentido da vida

A psicologia encontra o sentido da vida dando um significado transcendente a tudo aquilo que realizamos. Ou seja, não vivemos para nós mesmos, mas sim para o outro.

Dessa forma, embora se acredite que devemos buscar o nosso bem-estar ele só terá sentido na doação de si mesmo.

Assim, o sentido da vida nos mantém vivos. Ele ativa nossas emoções, fortalece nossa autoestima, nos dá segurança, nos faz valorizar o que fazemos, nos ajudando em nossa percepção de si. Dessa forma, sabendo quem nós somos, conseguimos olhar para os outros e construir relacionamentos mais profundos.

Leia depois: Analogia do olho


O que essas três áreas têm em comum

Diante das explanações dessas três áreas que refletem o pensamento humano, chegamos a um ponto em comum sobre elas. Sim, a filosofia, a psicologia e a religião quando levadas a sério e buscando o seu real objetivo nos levam ao mesmo ponto de partida: fomos feitos para algo maior do que nós.

Dessa forma, não há como duvidar de nossa realidade transcendente e, portanto, divina, ao olharmos para o que nos aponta essas três áreas que refletem a essência humana.

De fato, essas três óticas pelas quais o ser humano é conduzido nesta vida nos levam para uma realidade que está fora de nós e que tem a capacidade de nos mover para a frente, para o alto.

Ninguém encontra o sentido da vida e permanece no mesmo lugar. Pelo contrário, sente dentro de si mesmo um vigor jamais visto e que é capaz de nos fazer ultrapassar as sensações humanas mais perturbadoras como o desespero, a angústia e o luto.

Portanto, não nos cansemos de recordar constantemente o sentido de nossas vidas!