1° Mandamento – “Amar a Deus sobre todas as coisas”


Só Iahweh como Deus e nenhum outro!

Deus ao proclamar o decálogo, o fez para libertar o povo da escravidão em que vivia. Este mesmo povo estava vivendo sem rumo, sob o jugo de quem estava no poder; esta era uma situação insuportável para aquele povo, bem como para nós hoje, pois veremos que a situação de exploração dos ídolos continua. Se pararmos para pensar, muitas vezes vivemos sob o jugo da escravidão velada e não reclamamos de nada, é preciso tomar consciência e agir em prol da libertação.

O primeiro mandamento nos fala o seguinte: “Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem figura de coisa alguma do que está em cima no céu, ou embaixo sobre a terra, ou nas águas debaixo da terra. Não te inclinarás diante destes deuses e não os servirás!” (Ex 20,3-5).

A primeira pergunta que nos vem à mente é: qual o sentido deste mandamento? Por acaso existe no céu mais de um Deus? Com certeza para nós hoje é um pouco complicado compreendermos a mentalidade do povo hebreu daquela época, mas o sentido maior desse mandamento é o de combate à idolatria. Naquele tempo, as religiões eram politeístas, tinham vários deuses, mas os governantes tinham deuses oficiais, aos quais o povo tinha que pagar tributo no templo oficial. Além disso, muitos governantes se fizeram de deuses e quiseram impor o culto a eles. É contra essas posturas que o mandamento quer combater.

Temos que compreender que a idolatria cria falsos deuses que só visam o dinheiro, a exploração do povo e a escravização do mesmo. Hoje, se pensarmos um pouco, a realidade não é muito diferente, criamos deuses para todos os gostos e bolsos, o importante, como se diz, é a satisfação do cliente, porém, esquecemos o primordial, o que está escrito no versículo anterior do texto de Ex 20, 3-5, ou seja, no versículo 2, que nos diz: “Eu sou Javé, teu Deus que te fez sair do Egito, da casa da escravidão”. É a este Deus que somos convidados a servir, é a Ele que somos chamados a nos inclinar, pois Ele veio nos libertar da casa da escravidão, da opressão. Portanto, afirmar a existência de um único Deus é combater a idolatria, é acabar com esse sistema de exploração. Jesus também reafirmou este mandamento e nos revelou que o mesmo estaria ligado a um segundo:

“Por isso, conforme ensinava ainda o primeiro mandamento, Jesus combatia a imagem falsa, severa e opressora de Deus que pesava sobre o povo e o fazia chorar e gritar. Jesus apontava para a única imagem verdadeira de Deus que é o próprio ser humano, criado à imagem d´Ele. E dizia: “o segundo mandamento é igual ao primeiro” (Mt 22,39). O primeiro mandamento fala do amor a Deus sobre todas as coisas. O segundo diz: “Amar o próximo como a si mesmo!” Ele deu o exemplo. Viveu o que ensinou: “Prova de amor maior não há que doar a vida pelo irmão!” (Jo 15,13). Ele se identificou com a imagem de Deus que está nos pobres: “O que a um deles fizestes, foi a mim que o fizestes” (Mt 25,40). Quem recebe o pequeno, recebe a Jesus. Quem recebe Jesus, recebe o Pai (Mc 9,37). É tudo uma coisa só!

As pessoas acham que cumprir este mandamento é simplesmente acabar com as imagens, não ter nenhuma imagem em casa, não é isso que o mandamento nos fala, ele combate os falsos deuses que oprimem a vida do povo, que os explora. Cumprir esse mandamento é ter o Deus da vida como único e amar o irmão, seja ele quem for, até as últimas consequências.

James Wilson Januário de Oliveira - Juniorista Salvatoriano

Texto publicado originalmente em “O Desafio” n° 213 de fevereiro de 2011.